Começaram os testes nos Açores

Os testes das equipas que vão participar na 47ª edição do SATA Rallye Açores foi disputado em duas localizações diferentes. Daqui pode resultar uma verdadeira lotaria…


Os homens da Skoda resolveram por vem reservar para si o troço dos Remédios, enquanto todos os outros que quiseram testar o fizeram na Achada das Furnas. As condições meteorológicas e de piso apresentaram-se bem diferentes de um local para o outro pelo que as afinações encontradas também terão sido bem diversas. Resta saber se o rali será mais parecido ao bom tempo e pisos apenas húmidos dos Remédios ou à chuva e lençóis de água e lama da Achada das Furnas.

Nos remédios rodaram Hanninen, Mikkelsen e Wiegand. Na parte da manhã os carros de prova nem saíram do camião visto que, privilégios de se ser piloto de fábrica, havia “muletos” S 2000 à disposição. Com a maior parte do programa de testes cumprido, para a tarde e já com os carros com que enfrentarão a prova micaelense, Hanninen e Kopecky já só tinham para verificar um acerto de pormenor na suspensão e diferentes pressões nos pneus.

Dos andamentos, destaque para a exuberância de Mikkelsen e para a rapidez mais “polida” de Hanninen. Wiegand parece ter um longo caminho de aprendizagem a fazer e não se mostrou ao ritmo dos seus colegas de marca.

Na Achada das Furnas, apenas estivemos parte da tarde, numa altura em que muitos pilotos já tinham encerrado os seus trabalhos. Destaque para Bruno Magalhães que estava num ritmo bem acima da concorrência e com Carlos Barros a comandar todas as operações na assistência da Delta. Os Fiesta S2000 pareceram-nos uns furos abaixo, embora os pilotos também não pareçam ter acertado com as trajectórias no local onde assistimos a várias passagens. Luís Miguel Rego, sempre com o engenheiro do seu carro no lado direito, pareceu estar em boa adaptação ao traçado. Dos duas rodas motrizes tivemos oportunidade de ver o Honda de Kroser eo DS3 de Catania. Pareceu-nos mais rápido o Honda, embora apenas na aproximação às curvas. Ambos os carros denotavam gritante falta de tracção para vencer as dificuldades do terreno, sobretudo em subida e a seguir a curvas lentas.

Francisco Veloso - Fórmula Rali
Foto: Francisco Veloso