João Barros vence em Monção

Vitória de João Barros e António Costa, em Citroen Saxo Kit Car, na última prova de asfalto do Open, que reuniu o aplauso dos participantes.

A segunda classificativa do Rali de Monção, Luzio 1, teve ser interrompida, devido a um toque Paulo Moreira e Marco Machado em Opel Corsa. O sucedido não teve quaisquer consequências físicas para a equipa, mas o Corsa OPC ficou imobilizado, provocando a paragem dos concorrentes que o seguiam.

A prova foi neutralizada no início de Merufe 1, provocando essa neutralização que os horários fossem revistos com um acréscimo de 27 minutos.

Na chegada da primeira passagem pelos troços, João Barros e António Costa, em Citroen Saxo Kit Car, terminavam na frente e resumiam desta forma prestação “Os troços são complicados, com zonas muito enroladas e à tarde vamos adoptar um andamento mais cauteloso. O tipo de classificativas que aqui encontramos é vantajoso para o nosso carro, que é mais ágil dos que os de tracção integral, que são mais pesados.”

A luta pela segunda posição prometia e Daniel Nunes e Daniel Amarallevavam a melhor, por apenas três segundos sobre Carlos e Aníbal Martins. Esta foi também uma guerra pela liderança dos 4X4, com o Mitsubishi EVO VI a levar a melhor sobre o EVO VIII.

Gil Antunes e Carlos Ramiro, comandam o troféu Modelstand. Diogo Gago e Jorge Carvalho começaram na frente, mas um problema mecânico na ligação entre a segunda e terceira classificativa ditou o abandono.

“Todos gostamos muito de andar na frente, mas não gostamos de o fazer graças ao azar dos outros. Estava uma “guerra” bonita, com a liderança a ser discutida ao segundo, mas o problema do Diogo Gago, deixou tudo mais fácil. Para a tarde vamos adoptar um andamento mais tranquilo, mas que nos permita manter concentrados. A pressão é sempre boa, para que não percamos a concentração.”

Pedro Fins e Sérgio Rocha furaram na última classificativa da manhã e ficaram fora do grupo da frente. Realçam o belo traçado das classificativas escolhidas pelo CAMI – Clube Aventura do Minho. “As classificativas são muito bonitas e diria mesmo que são das melhores que até agora encontramos em asfalto.” O troféu Fastbravo era comandado por Herculano Antas e Luis Silva.

À tarde João Barros e António Costa optavam por uma toada mais calma, que lhes permitia levar o Citroen Saxo Kit Car à vitória e assim cumprir os objectivos traçados para a prova.

“Correu muito bem, é um bom rali com troços muito bonitos e quando se ganha, termina-se bem. A partir da segunda classificativa a nossa principal preocupação foi gerir, mas sem perder o ritmo.” “Durante a tarde ainda assinamos um melhor tempo, pois entramos a atacar, para nos últimos troços gerirmos a vantagem e assim atingirmos os objectivos a que nos propusemos: antes de mais terminar e depois ganhar.”

Na segunda secção se se pode dizer que houve protagonismo, este foi para Dogo Salvi e Filipe Carvalho, que adoptaram um ritmo de “full atack” que os levou a apanharem um susto no final da terceira classificativa, após um toque de traseira que, no entanto não lhes retirava o segundo posto, mas pela margem mínima de 8 décimas!

Daniel Nunes e Daniel Amaral foram assim os terceiros, segundos na luta dos 4 rodas motrizes, que é como quem diz dos Mitsubishi EVO.

Gil Antunes e Carlos Ramiro confirmaram o resultado da manhã e venceram entre os Peugeot 206 e a vitória entre os Marbellas do Troféu Fastbravo foi para Herculano Antas e Luis Silva. O Balanço final da prova organizada pelo CAMI – Clube Aventura do Minho é francamente positivo, tal como espelham as palavras de José Emídio, Presidente do Município de Monção: “Cumprimos os objectivos desportivos e entendemos que o rali foi um sucesso. Os troço são do agrado geral e entendemos que valeu a pena. Alem disso o tempo ajudou, o piso seco contribuiu para que não houvessem praticamente problemas.” “O facto de termos estas condições e de chamarmos para Monção um público muito interessante, com a vinda de equipas de todo o pais e espanholas, faz com que o rali seja um meio fantástico de promover o concelho.““Além disso, este novo formato, em que recuperamos os pisos de asfalto, nesta época do ano, em que o rali pontua para o Open, subindo de categoria, faz com todo o evento seja ainda mais interessante e como tal será de reflectir sobre o que se pretende para 2013, de forma a que seja possível dotar o Rali de Monção de mais e melhores condições” encerrou o autarca.


RallyMania com A.I.